Ambev oferece oportunidade com salário de R$ 5,8 mil

Entre para nosso grupo no telegram: t.me/seligacamacari

Por Correio da Bahia

Uma das inquietações de quem está prestes a se formar ou acabou de pegar o diploma é conquistar um emprego. Entre as oportunidades está o cargo de trainee, que capacita recém-formados para ocuparem cargos de liderança ao final da experiência. No Brasil, são mais de 880 vagas abertas. Na Bahia há postos com salário inicial de R$ 5,8 mil. No caso de seleção para trainees, muitas organizações preferem não divulgar o número de vagas abertas porque podem aproveitar o maior número possível de bons candidatos.

De acordo com Liliane Rosa, especialista de recrutamento e seleção da Ambev, multinacional do segmento de bebidas, na empresa “o programa permite que o contratado passe desde o setor de cervejaria até o corporativo, para que ele conheça diferentes estratégias e visões” aplicadas na organização.

Esse foi um dos fatores que levaram Karina Nascimento, 26 anos, a abandonar um cargo público. “Eu busquei uma empresa que me desse oportunidade de ter desafios. O trainee que prestei é o que forma líderes para o mundo industrial da nossa cervejaria, mas isso não significa que minha carreira está limitada”. Para conseguir a vaga, Karina passou por um processo concorrido e criterioso. Currículo online, prova de inglês e lógica, ‘business case’ e entrevista foram algumas das etapas exigidas. “A seleção exige raciocínio rápido, trabalho em equipe, liderança e muito brilho no olho”.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.


Desafio

Ana Varella, 30, entrou na Estácio, instituição de ensino superior, como trainee, em 2011, após se graduar em Psicologia. Hoje, ocupa o cargo de gerente da universidade corporativa e atribui o seu desenvolvimento na empresa à possibilidade que teve durante o treinamento. “O programa te proporciona o desafio de vivenciar toda a empresa e te dá suporte e capacitação para que você desenvolva habilidades que, muitas vezes, nem sabia que tinha”, diz. Um dos seus diferenciais, que costuma ser muito cobrado por recrutadores, é que ela se identifica com a cultura da empresa. “A minha mãe é professora universitária e eu sempre vivi nesse ambiente, então encontrei o programa da Estácio que era o meu perfil”.

Por outro lado, a oportunidade demandou a saída da zona de conforto e Ana, aos 24 anos, precisou sair no interior de São Paulo para viver no Rio de Janeiro. E a questão da mobilidade é outro fator determinante para os trainees, já que muitas empresas preferem selecionar quem tem disponibilidade para mudar de cidade.