Universitários têm até sexta para realizar a inscrição no Mais Futuro

Por A Tarde

Universitários têm até sexta para realizar a inscrição no Mais Futuro 1
O principal objetivo do Programa Mais Futuro é a garantia da permanência dos alunos nas universidades estaduais (Foto: Mateus Pereira/GOVBA)

As inscrições para a segunda etapa do Programa Mais Futuro, desenvolvido pelo Governo do Estado, através do Programa Educar para Transformar, estão abertas até sexta-feira (3). Estão aptos a se inscrever os estudantes da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), bem como das demais universidades estaduais: de Santa Cruz (UESC), do Sudoeste (UESB) e do Estado (UNEB). A iniciativa já está beneficiando cerca de quatro mil universitários com bolsa-auxílio e vagas de estágio. A previsão é que, nesta fase, mais mil jovens sejam selecionados. As inscrições devem ser feitas por meio do site do programa (maisfuturo.educacao.ba.gov.br).

O principal objetivo da ação é a garantia da permanência dos alunos nas universidades estaduais. O pró-reitor de Assistência Estudantil da UNEB, Ubiratan Azevedo, assegura que “o Mais Futuro, mesmo sendo um programa jovem, tem ajudado, de fato, as universidades a manterem os estudantes até o final do curso e a produzir um quadro humano de melhor qualidade”. As bolsas mensais são oferecidas nos dois primeiros terços do curso. O valor de R$ 300 é destinado aos alunos que estudam a até 100 km de onde residem. Já a bolsa R$ 600 é oferecida a quem mora mais longe, por conta da necessidade de arcar com as despesas de uma moradia temporária. “Além disso, para ser auxiliado, o estudante deve estar em situação de vulnerabilidade”, ressalta o coordenador do Comitê Executivo do Mais Futuro, José Carlos Sodré, explicando que a condição de vulnerabilidade é comprovada pela atualização dos dados do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico).

Caso as informações não estejam atuais ou haja a necessidade de fazer a primeira inclusão no cadastro, o estudante deve procurar um Centro de Referência em Assistência Social (CRAS), no município em que a família reside. O candidato interessado no Mais Futuro também não pode ter vínculo empregatício, nem ter concluído outro curso de nível superior.

Até o fim de 2018, o Governo da Bahia deve investir aproximadamente R$ 50 milhões na ação.